flip
Edições anteriores
10h Mesa 10
No calor da hora

Enrique Krauze
John Freeman

mediação
João Cezar de Castro Rocha

John Freeman, editor da revista britânica Granta, e Enrique Krauze, criador das revistas mexicanas Vuelta (com o poeta e Nobel de Literatura Octavio Paz) e Letras Libres, falam do desafio de fazer a crítica do presente – que, no caso de Krauze, inclui também o mapeamento dos messianismos políticos da América Latina, tema do livro Redentores (que o historiador mexicano lança na Flip).

Apoio

piaui
12h Mesa 11
A história em HQ

Joe Sacco

mediação
Alexandre Agabiti Fernandez

A obra de Joe Sacco representa uma das formas mais ousadas de captar o fluxo dos acontecimentos da atualidade: a história em quadrinhos. Com rigor jornalístico e sensibilidade para os sofrimentos do homem concreto, Sacco transpôs suas experiências em regiões conflagradas como os Bálcãs e a Palestina para a linguagem das graphic novels, dando corpo e rosto aos flagelos da política contemporânea.

Apoio

piaui
15h Mesa 12
Ficção entre escombros

Marcelo Ferroni
Edney Silvestre
Teixeira Coelho

mediação
Claudiney Ferreira

Três escritores brasileiros que representam as fraturas sociais através de dramas individuais. Teixeira Coelho flagra momentos traumáticos do século XX e subjetividades dilaceradas. Ferroni, em seu romance de estreia, introduz nos momentos finais de Che Guevara a patética imponderabilidade do acaso. E Edney Silvestre comenta seu novo livro, um romance ambientado na era Collor.

Apoio

sesc
17h15 Mesa 13
Alegorias da ilha Brasil

João Ubaldo Ribeiro

mediação
Rodrigo Lacerda

Fazendo de sua ilha natal um microcosmo tão grande quanto o mundo, o escritor baiano sintetiza as linhas de força do romance brasileiro: um regionalismo que transcende o momento histórico, alegorias que violam fronteiras de tempo e espaço para apreender as mais candentes questões contemporâneas. Na Flip que homenageia a antropofagia de Oswald de Andrade, Ubaldo fala de uma obra que também reinventou o Brasil.
19h30 Mesa 14
Lugares escuros

James Ellroy

mediação
Arthur Dapieve

Autor de livros que deram origem aos filmes Dália negra e Los Angeles, cidade proibida, Ellroy renovou o romance policial com uma linguagem que recria o jargão do submundo e aprofunda os temas da ficção noir. Crime e corrupção se mesclam a obsessões sexuais e violência racial numa visão crua dos EUA, além de incorporarem os fantasmas do próprio escritor, descritos em seus livros autobiográficos.
English

  Realização
  Associação Casa Azul