flip
Edições anteriores
Flip confirma presença de Tamim Al-Barghouti

O escritor e cientista político palestino nascido no Egito Tamim Al-Barghouti, apelidado de “o poeta da revolução” – depois que um poema de sua autoria foi declamado na praça Tahrir, no Cairo, durante os protestos contra o ditador egípcio Hosni Mubarak –, virá para a 11ª edição da Flip. Exilado do Egito em 2003, Tamim vive hoje em Washington e trabalha como professor convidado da Universidade de Georgetown.

Inspirado na Primavera Árabe, o pequeno poema Oh Egypt, it’s close foi publicado por Tamim em um jornal egípcio para o qual ele trabalha como colunista, justamente após o governo de Mubarak bloquear o acesso à internet no país. Os versos foram declamados por milhares de pessoas em meio às manifestações.

Apesar de ter obtido projeção internacional no ápice dos protestos, o poeta de 35 anos já era consagrado no meio literário do mundo árabe por suas poesias de cunho político e social. Tamim estudou política na Universidade do Cairo e na Universidade de Boston, onde alcançou o título de PhD em ciência política. Com dois livros publicados sobre história e política, além das coleções de poesia, ele é considerado um mestre da língua e história árabes.

Filho do poeta palestino Mourid Al-Barghouti e da romancista egípcia Radwa Ashour, Tamim nasceu na região de Deir Ghassanah, próximo a Ramallah, em 1977, ano em que o governo egípcio havia iniciado um processo de paz com Israel e tinha expulsado a maioria dos palestinos de destaque, incluindo o pai de Tamim. Imerso na realidade do mundo árabe desde a infância, ele descobriu na literatura um meio de expressar os sentimentos de quem nasceu e cresceu em uma zona de conflito. Publicou o seu primeiro poema aos 18 anos.

Em 1999, aos 22 anos, Tamim retornou à Palestina pela primeira vez. Lá, ele lançou sua primeira coleção de poemas, intitulada Mijana. No Cairo, o poeta escreveu sua segunda coleção, Al Manzar. Em 2003, na véspera da invasão norte-americana ao Iraque, Tamim deixou o Egito em protesto contra o apoio do governo à guerra. Essa experiência resultou em dois trabalhos que, bem recebidos, deram fama a Tamim no mundo árabe. O primeiro foi Aluli-Bethebbe-Masr (They Ask: Do You Love Egypt?). O segundo, Maqam Iraq, foi descrito pela crítica como “algo que remete a uma clássica obra de arte árabe”.

Em 2007, seu trabalho Em Jerusalém tornou-se uma espécie de poema de rua, impresso em cartazes pendurados nas cidades palestinas, e Tamim foi chamado de “o poeta de Jerusalém“ pelos jornais palestinos. A obra, que descreve uma viagem abortada à cidade, tornou-se o mote de uma série de apresentações em Nablus, Ramallah, Hebron, Belém, Jericó, Amã, Beirute, Haia, Viena, entre outros lugares.

Compartilhe
Compartilhe no TwitterCompartilhe no Facebook Share on Google+
English    

  Realização
  Associação Casa Azul