flip
Edições anteriores


Da esquerda para direita: Carlos Augusto Calil, Eduardo Jardim, Paulo Werneck e Sergio Miceli (foto de Alexandre Nunis)
Estreia do ciclo sobre Mário

A primeira palestra do ciclo “Em Busca de Mário de Andrade”, feito pela Casa Azul e pelo Sesc SP, na última quinta-feira (30), reuniu importantes estudiosos da obra do agitador cultural brasileiro. O crítico e cineasta Carlos Augusto Calil, o diretor regional do Sesc, Danilo Santos de Miranda, o biógrafo Eduardo Jardim e o sociólogo Sergio Micelli apresentaram diferentes perspectivas da vida e da produção de Mário, traçando um perfil peculiar e complexo do paulistano. A mediação ficou por conta de Paulo Werneck, curador da Flip e do Museu do Território de Paraty, que faz a curadoria do curso em parceria com o Centro de Pesquisa e Formação do Sesc. Os encontros estão inseridos nas ações de permanência do Museu do Território de Paraty – projeto da Casa Azul, que também realiza a Flip, da qual Mário é o autor homenageado.

Filósofo e cientista social, Danilo Santos de Miranda evocou o legado cultural de Mário de Andrade e afirmou que a sua visão multifacetada foi um modelo para a instituição em que trabalha, o Sesc. “Procurei sempre essa inspiração, por meio de conexões que permitissem melhorar e avançar nosso entendimento sobre cultura, que é onde as pessoas perseguem um caminho novo, tentam melhorar a própria vida.” Na sequência, Paulo Werneck expôs o propósito do curso, que se empenha em refletir sobre o autor. “A Casa Azul, o Museu do Território de Paraty, a Flip: somos filhos do projeto do Mário. E assim, num caráter de busca, queremos interrogar essa figura que domina a cultura brasileira.”

Autor de Eu sou trezentos (Edições de Janeiro, 2014), primeira biografia de Mário, Eduardo Jardim ressaltou dois momentos pontuais na vida do escritor. Um equivalente ao período de 1917 a 1937, no qual realizou o principal de sua obra, e tinha a vitalidade necessária para ocupar a posição de agitador. O outro representa o período pós-1942, em que Mário fez uma revisão crítica do modernismo e da Semana de 22 e se dedicou à poesia, resguardado em dias mais sombrios. “Há tensões que resumem Mário, sua vida de cima e sua vida de baixo – uma bivitalidade: a dimensão cerebral e a intuitiva.” Jardim o apontou como homem da transversalidade na noção de cultura, que se voltou aos estudos de arte social, folclore, música, patrimônio material e imaterial.

Ensaísta e sociólogo, Sergio Micelli voltou seu olhar para o contexto social e político em que Mário de Andrade se compôs, descrevendo-o como um intelectual dilacerado e ambivalente. “Ele destoava em etnia, gênero e beleza, além de não ser muito apreciado por seus colegas modernistas.” Para Micelli, essa combinação fazia de Mário uma liderança improvável, num momento de reinvenção política e de reformulação cultural do Brasil. “Ele tematiza na poesia os seus tormentos, mas não pode explicitar o que está vivendo, por causa da homossexualidade.” Apesar dos estigmas, Mário se engajou num projeto que Micelli descreve como generoso e então preparou espaço para uma transição entre o intelectual oligárquico e o das faculdades, “sempre na diagonal do establishment”.

Responsável pela musealização de cômodos da casa de Mário de Andrade, Carlos Augusto Calil dividiu a obra do escritor em fases, a pública e a pessoal. A primeira engloba a de militância cultural, dedicada à atualização da agenda do país, enquanto a segunda se dá com a produção de seus poemas. Além disso, destacou a batalha por uma língua brasileira que não desassociasse a versão falada da escrita. Ponderou sobre a maneira como Mário queria, pela afirmação dos traços nacionais, propor um alcance universal do Brasil e completou: “Mário de Andrade vislumbrou o valor da experiência cultural e artística”, sobre a preocupação dele com a produção imaterial.

Para dar continuidade aos debates sobre Mário e sua obra inesgotável, mais nove encontros vão ocorrer na sede da Fecomércio, em São Paulo, além de uma visita guiada à casa de Mário. Saiba mais sobre o ciclo, os participantes e detalhes das inscrições aqui .

Compartilhe
Compartilhe no TwitterCompartilhe no Facebook Share on Google+
English    

  Realização
  Associação Casa Azul